/, Produção Industrial, Scadas e Supervisórios/O crescimento do setor moveleiro e a automação como forte aliada

O crescimento do setor moveleiro e a automação como forte aliada

O setor MOVeleiro é um dos que mais crescem atualmente no Brasil. Com foco voltado ao mercado nacional, o setor faturou R$ 29,7 bilhões em 2010, 13,4% a mais do que em 2009, segundo a Abimóvel (Associação Brasileira das Indústrias do Mobiliário), com dados do Iemi (Instituto de Estudos e Marketing Industrial).

Software de integração de controle de produção para moveleiras moveleira integracao controle producao automacao industrial 300x300

Software de integração de controle de produção para MOVeleiras

Para 2011 a indústria de MOVeis espera atingir um crescimento de 12%. A aposta maior está na ampliação do portfólio, com a fabricação de móveis planejados, sobretudo para atender à crescente demanda da classe média.

Juntamente com o crescimento, programas de estímulo do governo como Minha Casa, Minha Vida e o Brasil Maior prometem aquecer ainda mais a produção nos próximos anos com a extinção da alíquota de contribuição previdenciária (atualmente em 20%) para os setores de calçados, confecções, móveis e softwares e oferta de R$ 500 bilhões de financiamento do BNDES ao setor produtivo entre 2011 e 2014.
Com um mercado tão promissor, novos concorrentes interessados nesta fatia vêm surgindo. Além do mais, as empresas que procuram exportar seus produtos estão encontrando certas dificuldades, pois mais da metade das empresas exportadoras do Brasil (52%) compete com produtos chineses no mercado mundial, que estão se mostrando cada vez mais atraentes.
Outro fator igualmente relevante é maior exigência dos clientes em relação à customização dos produtos. Os clientes querem um móvel diferenciado, seja na cor, no detalhe, buscando imprimir sua característica pessoal. Isto faz com que a produção deixe de ser seriada e exija mais ritmo e agilidade no chão-de-fábrica para manter a produção em níveis aceitáveis.
Tudo isto estimula a competitividade nas indústrias MOVeleiras fazendo surgir a seguinte questão: Como se diferenciar dos demais? Certamente investir em tecnologia e atualização é um dos melhores caminhos a seguir. Baseando-se nesta afirmação, os sistemas de automação industrial podem ser grandes aliados no processo de tornar as empresas mais competitivas.
O ganho de agilidade no chão-de-fábrica pode ser melhorado consideravelmente com a utilização de Sistemas Supervisórios dedicados como os supervisórios de máquinas seccionadoras capazes de ler o pedido feito pelo cliente. O pedido pode ter origem de planilhas ou softwares como o Promob, 20-20, e VDMAX realizando desta forma a integração com o plano de corte e o corte do material. O processo torna-se ágil e cada placa cortada passa a conter as informações de medida, furações e pedido através de uma etiqueta com código de barras anexada a ela. Assim a rastreabilidade faz com que o processo produtivo seja mais eficiente e reduz perdas na linha de produção.

automacao-industrial exataII cadastro 300x159

Tela de um Sistema Supervisório com importação de desenhos 2D e 3D e algoritmos de análise combinatorial

Outra tratativa bem interessantes é a utilização de sistemas supervisórios com recurso de leitura de arquivos .dxf ou .stp para máquinas furadeiras, que as tornam capazes de importar desenhos 2D e 3D de projetos de peças de móveis feitos em softwares CAD (Autocad, Inventor, Solidworks, etc.), que estão sendo utilizados cada vez mais pela equipe de projetos de móveis. Estes desenhos são analisados pelo sistema supervisório com algoritmos de análise combinatorial para obtenção da melhor performance do equipamento industrial e aproveitamento do produto. Sendo assim, com uma simples troca de desenho o set-up da máquina é feito de modo automático, aumentando a produtividade consideravelmente.

Ferramentas de confiabilidade também podem e devem ser utilizadas nos sistemas supervisórios das máquinas e equipamentos, realizando assim a aquisição das informações de campo e apontamentos e informando os melhores momentos para intervenções de manutenção e substituições de peças nas máquinas e equipamentos industriais.

Enfim, com o mercado cada vez mais competitivo, deve-se buscar soluções criativas para melhoria do processo sempre focando a redução dos custos. Isto só se consegue através da obtenção de informações adequadas com maior precisão e fidelidade e da gestão das informações operacionais de forma a identificar, analisar e tratar os desvios para que haja maior controle e confiabilidade no processo. Só assim conseguiremos desvencilhar as barreiras da concorrência e sermos melhores no que fazemos.

Você Gostou Deste Artigo?

Cadastre-se hoje e receba atualizações por e-mail. Respeitamos a sua privacidade e você nunca terá seu e-mail divulgado.

Formado em Engenharia Elétrica pela UNESP (Universidade Estadual Paulista) com Pós Graduação MBA em Gestão de Projetos pela FVG (Fundação Getúlio Vargas) e certificação internacional em Gestão de Projetos pelo PMI (Project Management Institute). Também possui certificação Green Belt em Lean Six Sigma. Atuou na implantação dos pilares de Engenharia de Confiabilidade Operacional e Gestão de Ativos Industriais em grandes empresas como Votorantim Metais (CBA) e Votorantim Cimentos. Como Gerente de Projetos pela Siemens e Citisystems, coordenou vários projetos de automação e redução de custos em empresas como Usiminas, JBS Friboi, Metso, Taesa, Cemig, Aisin, Johnson Controls, Tecsis, Parmalat, entre outras. Possui experiência na implementação de ferramentas Lean Manufacturing em empresas como: Faurecia, ASBG, Aisin Automotive, Honda, Unicharm e Flextronics. Atualmente é Diretor de Projetos na empresa Citisystems e membro do Conselho de Administração da Inova, organização gestora do Parque Tecnológico de Sorocaba.