Diagrama de Ishikawa, Causa e Efeito ou Espinha de Peixe [Video]

/, Qualidade, Videos/Diagrama de Ishikawa, Causa e Efeito ou Espinha de Peixe [Video]

O diagrama de ishikawa, também conhecido como diagrama de causa e efeito ou espinha de peixe é uma ferramenta utilizada para a análise de dispersões no processo. O nome Ishikawa tem origem no seu criador, Kaoru Ishikawa que desenvolveu a ferramenta através de uma idéia básica: Fazer as pessoas pensarem sobre causas e razões possíveis que fazem com que um problema ocorra.

Para montar o diagrama de ishikawa, faz parte do procedimento reunir as pessoas em time para realizar um braimstorming (tempestade de idéias) de forma a levantar as causas raízes que originam um problema. Em virtude desta função, o diagrama de ishikawa também pode ser denominado como diagrama de causa e efeito. O diagrama, quando elaborado, assemelha-se a uma espinha-de-peixe, motivo pelo qual ele também é conhecido por este nome.

O diagrama de ishikawa é uma das 7 ferramenta da qualidade utilizada para o gerenciamento do controle de qualidade e sua composição leva em consideração de que as causas do problemas podem ser classificadas em 6 tipos diferentes de causas principais que afetam os processos (Método, Máquina, Medida, Meio Ambiente, Mão-de-Obra, Material). Justamente pelo motivo da denominação das 6 causas principais iniciarem com a letra M, também pode ser chamado de 6M’s. Podemos visualizar isto na Figura 1 abaixo:

Diagrama cauxa e efeito diagrama de Ishikawa espinha de peixe modelo Diagrama cauxa e efeito diagrama de Ishikawa espinha de peixe modelo

Vejamos então o significado de cada M:

  • Método – É método utilizado para executar o trabalho ou um procedimento.
  • Matéria-prima – A matéria prima utilizada no trabalho que pode ser a causa de problemas.
  • Mão de Obra – A pressa, imprudência ou mesmo a falta de qualificação da mão de obra podem ser a causa de muitos problemas.
  • Máquinas – Muitos problemas são derivados de falhas de máquinas. Isto pode ser causado por falta de manutenção regular ou mesmo se for operacionalizada de forma inadequada.
  • Medida – Qualquer decisão tomada anteriormente pode alterar o processo e ser a causa do problema.
  • Meio Ambiente – O ambiente pode favorecer a ocorrências de problemas, está relacionada neste contexto a poluição, poeira, calor, falta de espaço, etc.

Existe ainda um sétimo M que tem o origem na palavra em inglês Management que por sua vez está relacionado à gestão. Importante ressaltar que nem todos os M’s necessariamente devem ser utilizados, pois em alguns casos, certos Ms podem não ser aplicáveis. A idéia de tentar “encaixar” todos os M’s seria permitir à equipe pensar em todas as possibilidades e visualizar outros fatores que podem impactar no problema. Isto evita com que o time fique focado somente em uma causa principal.

Como exemplo, seria a situação em que um brainstorming é executado somente por pessoas com experiência em manutenção de máquinas, que naturalmente tenderia a fazer com que a equipe pensasse somente em causas relacionadas a máquina, se não utilizado o diagrama de ishikawa.

1 – Como se faz um Diagrama de Ishikawa

1.1 Definir o problema

O primeiro passo é definir um problema. Para tanto, evite ser genérico na definição do problema, prefira definir o problema de forma objetiva e em termos de qualidade que possa ser mensurável.

1.2 – Criar a espinha de peixe e marcar o problema que será analisado;

Faça um traço na horizontal e marque a direita deste traço o problema que foi definido, em perpendicular a este traço, aplique os 6Ms.

1.3 – Reúna a equipe

Este é o momento de gerar um brainstorm sobre o problema levando em consideração a estrutura dos 6Ms. É interessante participar deste brainstorming pessoas que estão relacionadas com o problema e de outras áreas, com diferentes perspectivas que agregam valor neste momento.

1.4 – Analise as causas e fatores atrelados a estas e planeje ações

Faça uma análise das causas de forma a detectar causas que impactam mais no problema e quais seriam as soluções propostas. Após isto, planeje um plano de ações definindo os responsáveis e o prazo para cada ação.

5 – Exemplo Prático

Neste exemplo, utilizaremos o software LucidChart e para conhecer o mesmo você pode clicar no logotipo abaixo:

lucidchart logo 2016 300

O vídeo ensinando a fazer um diagrama de ishikawa referente a um problema de chegar atrasado no trabalho pode ser visualizado logo em seguida:

Utilizando um exemplo prático, vamos analisar o caso de uma pessoa que chega atrasada no trabalho. Sendo assim, traçamos a linha central apontando para o problema (Atraso no Trabalho). Depois levantamos as causas princpais e em torno das causas principais, fazemos o levantamento das  subcausas. Veja na Figura 2 abaixo como ficaram as causas e subcausas mapeadas:

diagrama cauxa e efeito diagrama de ishikawa espinha de peixe exemplo Diagrama cauxa e efeito diagrama de Ishikawa espinha de peixe exemplo

Figura 2 – Exemplo de um diagrama de ishikawa ou espinha de peixe.

infografico diagrama de Ishikawa infografico diagrama causa efeito

Você Gostou Deste Artigo?

Cadastre-se hoje e receba atualizações por e-mail. Respeitamos a sua privacidade e você nunca terá seu e-mail divulgado.

 

Benefícios do Diagrama de Ishikawa

O Diagrama de Ishikawa apresenta visualmente e graficamente as causas potenciais dos problemas ocorridos e seus efeitos que impactam diretamente na qualidade do que é produzido. Esta praticidade na leitura facilita o entendimento do processo do ponto de vista do trabalhador da empresa. Além disto, o diagrama de ishikawa é uma ferramenta que contribui para o aperfeiçoamento do processo, reunindo a equipe e proMOVendo uma bateria de discussões em torno dela.

O digrama de Ishikawa é uma ferramenta que pode ser adotada para elevar o nível de compreensão das pessoas que afetarão nas decisões tomadas para as soluções de problemas, visto que através dela é possível detalhar as causas das causas dos problemas até chegar numa causa raiz.

Alguns outros benefícios que podemos citar utilizando esta ferramenta são:

  • Obtenção de diferentes opiniões a partir de um time de trabalho;
  • Fácil de aplicar;
  • Pouco esforço na prática;
  • Melhor entendimento das causas e efeitos

Formado em Engenharia Elétrica pela UNESP (Universidade Estadual Paulista) com Pós Graduação MBA em Gestão de Projetos pela FVG (Fundação Getúlio Vargas) e certificação internacional em Gestão de Projetos pelo PMI (Project Management Institute). Também possui certificação Green Belt em Lean Six Sigma. Atuou na implantação dos pilares de Engenharia de Confiabilidade Operacional e Gestão de Ativos Industriais em grandes empresas como Votorantim Metais (CBA) e Votorantim Cimentos. Como Gerente de Projetos pela Siemens e Citisystems, coordenou vários projetos de automação e redução de custos em empresas como Usiminas, JBS Friboi, Metso, Taesa, Cemig, Aisin, Johnson Controls, Tecsis, Parmalat, entre outras. Possui experiência na implementação de ferramentas Lean Manufacturing em empresas como: Faurecia, ASBG, Aisin Automotive, Honda, Unicharm e Flextronics. Atualmente é Diretor de Projetos na empresa Citisystems e membro do Conselho de Administração da Inova, organização gestora do Parque Tecnológico de Sorocaba.

  • Muito interessante seu artigo, é uma metodologia muito utilizada no ACR, assim também pode ser complementada com a estratégia de Disney que permite dar diferentes entradas dentro do mesmo processo de analise.

  • Esequias Rodrigues de Lima

    O artigo está muito bem elaborado. Acrescentando, creio que o processo de análise deve ter continuidade com o levantamento de dados relativos às prováveis causas-raiz do problema (priorizados nas espinhas) a fim de confrotá-los com o que é citado na cabeça do peixe (o problema) através de técnicas como o Teste de Hipótese ou qualquer outra técnica estatística. Este procedimento corroborará ou eliminará o julgamento subjetivo presente durante a estruturação da espinha de peixe e a priorização das causas do problema, de modo que um plano de ação como maior chance de sucesso em termos de eliminação das causas-raiz do problema possa ser elaborado e executado.

  • justo o que eu esperava e melhor do que eu imaginava…

  • Gerson Santana da Silva

    Muito bom, uma excelente ferramenta

  • Paulo Lima

    Caro Cristiano, depois de uma longa procura pela net, creio que o ramo “Medida” ou melhor “Measurement or Metrics” seria o mais correto dizer que se refere a “causas relacionadas como a forma em que se mede o problema”, tais como:
    Does the gauge have a valid calibration date?
    Was the proper gauge used to measure the part, process, chemical, compound, etc.?
    Was a gauge capability study ever performed?
    Do measurements vary significantly from operator to operator?
    Do operators have a tough time using the prescribed gauge?
    Is the gauge fixturing adequate?
    Does the gauge have proper measurement resolution?
    Did the environment influence the measurements taken?
    Read more: http://www.answers.com/topic/ishikawa-diagram#ixzz3DNRRn4Dt

  • Daniel Beloso Caniçais Brandt

    Já li vários artigos sobre o Ishikawa, este realmente é o melhor.
    Muito bem explicado, linguagem simples e objetiva. Bem completo.
    Parabéns!

  • Vagner

    Muito bom

  • Ahilsa Marques

    Estava com um estudo de caso em mãos para resolver. Nele envolvia planejamento de desenvolvimento de produção e gestão de pessoas.
    Após ler a postagem consegui resolver meu problema.
    Obrigada!!

  • Francisco Clemente da Silva

    Ola….sou operador logistico..em uma grande multi nacional….querendo ganhar mais conhecimneto nessa area…resolvi entender essa ferramenta fantatisca….essa cobertura do diaguinostico sobre o veiculo…foi genial…parabens

  • Fanuel Mendes

    Bom Dia
    achei muito bacana a ideia, to com duvidas sobre como montar um diagrama de causa e efeito sobre a falta de chuva no Brasil,
    alguém pode meda da uma ideia

    obrigado

  • Ana Clara

    Gostei muito , explicação simples , me ajudou bastante na minha prova de SMS

  • Wladier Oliveira Rocha

    Conteúdo muito bem contextualizado e fácil entendimento… .
    Parabéns.

    Wladier Rocha

  • Rondinelli Desteffani

    Parabéns Cristiano!
    Sua abordagem técnica sobre “espinha de peixe” foi muito bem feita. Ficou muito bom.
    Uma dica: Talvez você queira colocar um link dentro do seu texto na parte que fala das 7 ferramentas: “O diagrama de ishikawa é uma das (7 ferramenta) da qualidade utilizada para o gerenciamento do controle de qualidade…” E esse link trariam os nomes ou os nomes com explicações de cada uma. Então seu texto ficaria mais que completo 🙂

    Obrigado por dividir o conhecimento com a gente!

  • Rodrigo Gomes Costa

    “Máquinas – Muito problemas são derivados falhas de máquinas”, a página está cheia de erros de português, não é “Muito problemas” o certo é “Muitos problemas”.

    • Ricardo Souza

      NAO TEM QUE FALAR FICA QUIETO .

    • Massoni

      Muito bem, vc conseguiu ser um idiota num simples comentário…

  • LEONEL RODRIGUES

    MUITO BOM, PARABÉNS PELO ARTIGO

  • Foi colocado Diego e acrescentado um vídeo. Obrigado pela sugestão.

  • Erros corrigidos Isabela. Obrigado pela colaboração.